Ideioso

Uma miríade de ideias.

Navegação

Você também pode navegar através do teclado:

:Próximo post
: Post anterior

No Twitter

A proposta é tornar conhecido e analisar através da análise jornalística o tema “A Guerra da Síria” através de um ponto de vista midiatico.

Síntese

A guerra da Síria já está a decorrer há mais de seis anos e tomou vidas de mais de duzentas e cinquenta mil pessoas. Tal guerra é travada entre soldados que apoiam o presidente da Síria (Bashar al-Assad) e um grupo de guerrilheiros conhecidos como “rebeldes”, que são contrários ao seu governo.

Três reportagens acerca do tema:

1- Imagem de menino ferido vira novo símbolo da guerra na Síria (site: http://glo.bo/2b3CLlf)

2-Pai de menino Sírio morto em praia fala a brasileiro sobre a tragédia familiar (site: http://www.correiodoestado.com.br/brasilmundo/pai-de-menino-sirio-morto-em-praia-fala-a-brasileiro-sobre-tragedia/261947/)

3- Nadadora Síria Yusra Mardini é nomeada embaixadora da boa Vontade do ACNUR (site: https://nacoesunidas.org/nadadora-siria-yusra-mardini-e-nomeada-embaixadora-da-boa-vontade-do-acnur)

Análise dos acontecimentos:

 Na primeira reportagem apontada para análise é descrita como vítima de tragédia recorrente a uma guerra cruel que atingi pessoas civis inocentes, sem chance de defesa.

A segunda reportagem descreve a realidade de uma família fugindo de um pais em conflito num ato desesperado de refugio em outro pais que acaba vitimando a perda de seus dois filhos e esposa em alto mar, onde o corpo de uma das crianças é encontrado em uma praia.

Já a terceira narra a história de uma menina Síria refugiada de uma zona de guerra que se tornou símbolo de perseverança para salvar sua família e através do esporte superou todos os obstáculos, representando seu pais nas olimpíadas de 2016 e nomeada embaixadora da Boa Vontade da Agência da ONU para os refugiados (ACNUR).

 A primeira reportagem tem a fonte de noticia original realizada por uma empresa alemã de radiodifusão Deutsche Welle, com sedes em Bonn e Berlim, que transmite para os exteriores programas de rádio, além de oferecer uma programação televisiva e um amplo portal online em 30 línguas.

A segunda é de uma empresa pública, Reuters AFI: agência de notícias britânica, a maior agência internacional de noticias do mundo com sede em Londres.

A terceira reportagem tem fonte no programa de Alto Comissariado das Nações Unidas para refugiados com a sigla ACNUR em português e UNHCR em inglês, é um órgão das Nações Unidas.

Nenhuma das empresas citadas tem perfil partidário ou religioso para serem apontadas.

Conclusão

Escolhidas como sub temas todas tem ligação com a Guerra da Síria, onde destacam personagens diferentes, suas historias de vida em suas respectivas reportagens perdas e vitórias narradas e divulgadas pela imprensa recebidas de forma trágica para o Brasil e o mundo nos dias atuais.

O professor deve se posicionar a partir de um bom planejamento de forma que alcance a sistematização científica e conseqüentemente desmistifique os limites de senso comum. Formalizando através de pesquisas troca de saberes e autonomia discente de apuração dos fatos quanto a sua veracidade, antes da sua propagação com demais redes de comunicação, garantindo a integridade das noticias.

 

Contribuiu Simone Moreno

Te amo em LIBRAS

 

 
Tema Resposta
Por que é importante abordar o tema?

 

 

Considerando as mudanças metodológicas em que a educação infantil tem passado e considerando o foco mais individual que se tem dado nas abordagens, conhecer as questões envolvidas e dificuldades do aluno torna o ensino mais adequado a este aluno.A questão da inserção social, convivência e interação é muito importante para o aluno surdo e para o aluno não surdo pois trocam experiências mutuamente.

 

 

O que preciso saber sobre a surdez?

 

 

O contexto social em que a família do aluno surdo é deveras importante ao saber que esta família possui dificuldades principalmente relacionados ao desenvolvimento da criança que, por ser deficiente, exacerba-se em momentos  de criação de laços familiares e sociais.

 

O que leva ao diagnóstico tardio da surdez?

 

 

 

O diagnóstico tardio, efetuado após os dois anos de idade, se deve principalmente por conta do atraso de linguagem percebido na criança. Para os pais, a surdez é tida como um tabu, portanto, há a suspeita, contudo, demoram a buscar ajuda na esperança de ser algo transitório. Há ainda alguns sintomas que podem ser verificados em listagens tal como:

https://www.audiumbrasil.com.br/pt/perda-auditiva/lista-de-verificacao-sobre-perda-auditiva/

 

Quais as possíveis consequências de um diagnóstico tardio na educação e socialização da criança surda?

 

 

As principais consequencias tem a ver com a idade em que o diagnóstico é feita, portanto perdas sensoriais podem ser percebidas. Também o uso de próteses e testes simples como o teste da orelhinha, sendo efetuados mais cedo, melhor as possibilidades de adaptação desta criança e menores as consequências na linguagem e interação social.

 

REFERÊNCIAS

 

NEGRELLI, Maria Elizabeth Dumont; MARCON, Sonia Silva. Família e Criança Surda. Revista Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v.5, n.1, jan./abr. 2006. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ciencCuidadSaude/article/view/5146. Acesso em: 30.05.2017

 

ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde; AMORIM, Katia de Souza; OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Olhando a criança e seus outros: uma trajetória de pesquisa em educação infantil. Psicol. USP,  São Paulo ,  v. 20, n. 3, p. 437-464, set.  2009 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51772009000300008&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  01  jun.  2017.

 

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cad. CEDES,  Campinas ,  v. 26, n. 69, p. 163-184,  Aug.  2006 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622006000200004&lng=en&nrm=iso>. access on  04  June  2017.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622006000200004.

 

GUIMARAES, Valeriana de Castro; BARBOSA, Maria Alves. Avaliação auditiva no recém-nascido e suas implicações éticas. Ciênc. saúde coletiva,  Rio de Janeiro ,  v. 15, n. 2, p. 559-562,  Mar.  2010 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000200032&lng=en&nrm=iso>. access on  04  June  2017.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000200032.

 

SILVA, Angélica Bronzatto de Paiva e; ZANOLLI, Maria de Lurdes; PEREIRA, Maria Cristina da Cunha. Surdez: relato de mães frente ao diagnóstico. Estud. psicol. (Natal),  Natal ,  v. 13, n. 2, p. 175-183,  Aug.  2008 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2008000200010&lng=en&nrm=iso>. access on  04  June  2017.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2008000200010.

 

SILVA, Luciana Santos Gerosino da; GONCALVES, Claudia Giglio de Oliveira. Processo de diagnóstico da surdez em crianças na percepção de familiares e gestores. Audiol., Commun. Res.,  São Paulo ,  v. 18, n. 4, p. 293-302,  Dec.  2013 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312013000400010&lng=en&nrm=iso>. access on  04  June  2017.  http://dx.doi.org/10.1590/S2317-64312013000400010.

 

 

 

A imagem para análise claramente trata de uma avaliação classificatória de acordo com as definições tratadas pela autora. É possível dizer que a maior parte do que se tem como avaliação no cotidiano contemporâneo, em sua maior parte, trata essa maneira de avaliar como a mais adequada, quiçá a única, contudo trata-se de situação oposta em que o aluno se torna excelente em responder a perguntas que caem nas provas, contudo, não necessariamente um profundo conhecedor das competências pretendidas para aquela disciplina, menos ainda talvez: Torna-se um simples repetidor sem pensamento crítico suficiente a ponto de expressar, elaborar e expandir o próprio conhecimento.

Pela tirinha se observa um aluno que não conhece o assunto proposto e um professor que não se preocupa em avaliar o aluno, outrossim apenas que tal aluno seja capaz de repetir, ressonar o conceito aprendido mas não apreendido eis que tal situação torna excelentes alunos, que não se contentam em simplesmente repetirem o que ouviram, aleijões, andrajosos, marginais; por outra matiz, alunos que são medíocres mas possuem boa memória obtém melhor desempenho escolar mas são, como o nome diz, medíocres.

 

MÍDIA SELECIONADA (Tipo: Rádio, TV, Internet, etc…)_

Internet

TÍTULO (do artigo, comercial, programa, site, etc…)

Canais do Youtube “Isaac Horta em apartamento” e “Pomar e horta em vasos”.

Respectivamente: https://www.youtube.com/channel/UCoviLqsSnbxIfE1hA1De-3w/featured e https://www.youtube.com/channel/UC2aPp2PaqLJHT4XZMbzBe0g

RESUMO (Descrição do que foi Veiculado)

Criação de horta com dicas de adubo, irrigação e poda de vegetais para locais com pouco espaço.

OBJETIVO GERAL (Qual foi o objetivo principal da proposta de mídia analisada? O que se pretendeu com o que foi veiculado na mídia?)                     

Proporcionar ações voltadas à produção de mudas arbóreas e hortaliças na escola com objetivo de que os alunos possam construir uma horta em sala de aula ou no ambiente escolar.

PONTOS POSITIVOS IDENTIFICADOS: (O que funcionou? o que foi bem veiculado?)

Considerando que este é um exercício teórico, coloca-se aqui uma reprodução da professora Lucielle Bertolli da Escola Estadual Helena Dionysio de Curitiba – PR que aponta em seu blog Horta Escolar – Escola Estadual Helena Dionísio (Disponível em: https://goo.gl/6wrivP ) a partir do relato dos próprios alunos:

“- Ajudamos uns aos outros

  • A horta ficou muito bonita

  • Plantamos várias plantas diferentes

  • Plantamos sementes

  • Aprendemos a plantar e gostar de mexer na terra

  • Aprendemos a gostar da natureza

  • Ajudamos com a alimentação da escola

  • Além de aprender nos divertimos

  • Aprendemos a tomar cuidado com as ferramentas

  • Temos uma alternativa para nosso futuro, podemos utilizar o conhecimento compartilhado na horta para futuramente investir na agricultura, mesmo que seja em pequena escala”

PONTOS NEGATIVOS IDENTIFICADOS: (O que não funcionou? O que não foi bem veiculado?):

Ainda em relação ao item anterior, a própria atividade elenca:

“- Encontramos “hóspedes” nas plantas, como insetos, aranhas, caracóis.

  • Vimos como é difícil limpar e cuidar de uma horta

  • Não temos materiais suficientes

  • Algumas pessoas não colaboram com a horta, destruindo o que plantamos e jogando lixo

  • Temos que limpar a horta praticamente todos os dias”

SUGESTÕES:

É possível identificar que a identificação dos itens terá a ver com o perfil da turma, da  dimensão social em que a escola está ambientada e, em última instância  a(s) disciplina(s) que serão trabalhadas durante a criação do projeto pois, de acordo com a maneira que será feito os pontos positivos e negativos poderão variar entre si e, a abordagem efetuada pelo vídeo deverá ser contextualizada pelo professor.

 

Contribuiu Simone Moreno.

 

 

PLANO DE AULA
Série 7ª série do Ensino Fundamental II
Conteúdo A Sociedade Feudal
Objetivos Compreender o processo de formação do feudalismo, identificando as características sociais, econômicas, políticas e culturais do modo de produção feudal.
Vídeo Do feudalismo ao Capitalismo (Duda Lacerda), disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=brV8Dpj2LF0

E

Feudalismo – Castelos em Guerra (Discovery), disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4xz1vNyIsHE

Desenvolvimento Aula expositiva dialogada através de roda de conversa e formação de equipes de trabalho, exercícios para explorar e diagnosticar os saberes adquiridos.
Recursos Lousa, giz, textos impressos, livro didático e paradidático, Data show, espaço das comunicações por redes de computadores (laboratório de informática).
Avaliação Trabalho em grupo apresentado com encenação das fases do Feudalismo, fazendo a sala de aula um feudo, alternando em grupos: Nobreza, Clero, Camponeses.

A avaliação tratará de verificar a desigualdade desta organização social (camadas sociais) e o conhecimento adquirido sobre as partes desta sociedade em que os alunos demonstrarão ao construírem o roteiro para a apresentação.

Neste trabalho os alunos podem trajar-se de maneira a representar os papéis, fazer um teatro de bonecos, um quadrinho virtual utilizando o Powtoon ou ainda uma maquete, a saber, de acordo com o perfil e decisão da turma.

 

A utilização pedagógica de tecnologias midiáticas torna o uso e controle de instrumentos catalisador de uma série de novas funções a ser desempenhado pelo sujeito de modo a sobrescrever ou, em muitos casos, diminuir a utilização de processos naturais, fazendo-se uso de ferramentas em detrimento a tais processos.

O desenvolvimento é visto como o resultado de um processo artificial de grande escala em que a intervenção dos instrumentos é a principal. Vygotsky chama este processo de mediação, entre artefatos e humanos e de cognição relacionada com o ambiente social.

Educadores necessitam de modelos epistemológicos e psicológicos para distribuir adequadamente as representações necessárias à compreensão da sua área de estudo de modo a acessar ao funcionamento cognitivo dos estudantes. Tais modelos também ajudam a justificar a importância do que estão a ensinar relacionando-se com uma geração mais midiática de que as anteriores.

A despeito da tecnologia, um novo modelo vem sido apresentado, onde referenciais teóricos mais próximos à concepção de Piaget e Vygotsky têm prevalecido por conta das teorias ultrapassadas acerca das teorias pragmáticas sobre cognição. Para Piaget, a ação deve gerar produção de conhecimento, enquanto conhecimento é processado e utilizado pelo sujeito ao arguir utilitários transformadores de seu ambiente. Esta é à base do modelo de instrumentação psicológica em que os processos cognitivos presentes nos artefatos, progressivamente agregam valores instrumentais à interação física e mental com o ambiente social.

Com estas dimensões (pragmática e de ferramentas) tornam-se importantes professores compreenderem cognição em contextos tecnológicos.

 

Referências:

 

 

GADOTTI, M. A escola e a pluralidade dos meios. Revista Escola & Comunicação,

Rio de Janeiro, FRM, n.6, 1994.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 6. Ed. Trad. José Cipolla Neto, Luis S. M. Barreto e Solange C. Afeche. São Paulo: M. Fontes, 1998.

 

PELLEGRINI, M. C. Vontade de saber história, 7º ano. 1. Ed. São Paulo: FTD, 2009

 

STARLING, B.P. A dinâmica do sistema feudal e o surgimento das cidades. Disponível em: https://is.gd/1ZBaFj . Consultado em 02 de março de 2017.

 

Com a ajuda da Simone Moreno

 

Série (1ª a 5ª série do Ensino Fundamental 1 ) 5ª série do Fundamental 1
Disciplina História
Tema Cyberbullying
Objetivos:

 

·         Conceituais

·         Procedimentais

·         Atitudinais

 

Conhecer a história e motivos envolvidos no bullying cibernético através de leis e casos reais em que houve envolvimento da temática abordada, demonstrando a relação causa-consequência deste tipo de comportamento.
Identificação do Método:

 

·         Exposição pelo professor

⃝ demonstração

⃝ ilustração

⃝ exemplificação

·         Trabalho em grupo

·         Trabalho de Projeto

 

O método expositivo incluirá ilustração através de vídeos e apresentação de slides.

O trabalho em grupo será voltado a trazer exemplos para a discussão em sala de aula com objetivo, inclusive, de reconhecer se há algum caso entre os estudantes.

O trabalho de projeto envolverá a confecção de um material pelos próprios alunos para a conscientização das outras séries.

Estratégias (podendo selecionar mais de uma estratégia):

 

(   ) Pesquisa

(   ) Estudo de caso

(   ) Estudo dirigido

(   ) Situação – problema

(   ) Entrevista

(   ) Dramatização

(   ) Estudo de texto

(   ) Discussão orientada

(   ) Composição de painel

(   ) ……………………….

 

Utilizar-se-á as estratégias: Pesquisa, estudo de caso, estudo de texto, discussão orientada, composição de painel e júri simulado.
Recursos humanos, materiais e ambientais

 

(   ) Apoio das equipes: pedagógica, administrativa e de serviços gerais

(   ) Material bibliográfico

(   ) Material de tecnologia da informação e da comunicação ( Internet, DVD, …)

(   ) Material para elaboração de trabalhos ( do papel ao computador)

(   ) Acervo de gravuras

(   ) Espaços da sala de aula

(   ) Acesso de espaços além sala de aula

(   ) ……………………….

 

Para fins de materiais se utilizará Projetor e computador, a própria sala de aula, laboratório de informática e materiais para executar o painel (Cartolina, cola, Glitter, etc.).

Caso seja possível nas dependências da escola, um local físico para a exposição dos painéis feitos pelos alunos.

Descrição de uma atividade em que haja visibilidade do método selecionado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ao expor sobre o tema Cyberbullying, coloca-se um filme sobre o tema (Elefante, Tiros em Columbine, Bully, etc.) e discute-se  com os alunos sobre a maneira que o filme correu, como eles fariam para evitar tal situação, por que os crimes ocorreram, quem estava envolvido, como eles se sentiam em relação a isso, etc.

A partir daí iniciar a teoria relacionada ao Bullying, passando por mais exemplos até concluir com uma roda de conversa para a verificação dos conhecimentos adquiridos.

Após, pedir aos alunos que produzam cartazes para conscientizar os seus colegas de outras turmas.

Tendência Pedagógica (Apresentando a justificativa da opção)

 

(   ) Nova

 

(   ) Progressista

 

(   ) Nova / Progressista

Será utilizada a tendência progressista por conta da maneira que se deseja que os alunos verifiquem, em um contexto sociopolítico de aprendizagem se os conhecimentos adquiridos são aplicáveis aos seus cotidianos e visão de mundo.

Neste sentido, o uso prático das discussões far-se-á mediador entre o conhecimento teórico e empírico do corpo discente, aplicando a um tema presente em suas vidas, contudo, pouco abordado adequadamente.

Por fim, como parte-se do pressuposto que o aluno sabe algo acerca do tema, a exploração de tal tema a partir dessa visão empírica torna bem situada na tendência pedagógica progressista.

 

ATIVIDADE: Trabalho de informática aplicada à enfermagem

 

O QUÊ?  

Visita a uma clínica da família

 

POR QUÊ?  

Oficina prática sobre tecnologia aplicada ao cotidiano profissional

 

PARA QUÊ?  

Demonstração das tecnologias existentes no cotidiano.

 

QUEM? (responsável)  

Professor de informática aplicada e supervisor de estágio.

 

 

ONDE?

(local)

 

Clínica da família Xispirito Garcia. Situada à Rua das Couves, 123.

 

COMO?  

Os alunos acompanharão aos profissionais em sua atuação durante um turno do serviço, com a supervisão do professor e da supervisão de estágios.

 

QUANDO?

(data ou período)

 

Período de aula de cada turma, um turno por turma, de acordo com a disponibilidade da unidade de saúde.

 

QUANTO CUSTA?

(valor da atividade)

 

Não há custo relacionado.