Uma miríade de ideias.
Navegação

Você também pode navegar através do teclado:

:Próximo post
: Post anterior

No Twitter

 

SERÁ QUE A TEORIA DO CAPITAL HUMANO PERMANECE SENDO USADA COMO FUNDAMENTO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL ?

Sim. Considerando o contexto de município do Rio de Janeiro e o alinhamento verificado em termos nacionais, a formação profissional é utilizada ainda como fundamento. É importante verificar que a teoria do capital humano não é tão simplificado quanto a pergunta propõe, vez que o termo aqui é exclusivamente verificado à formação relacionada ao mercado competitivo da capital fluminense. Nesse sentido, as formações profissionais estão preocupadas em formar profissionais que adequem-se ao perfil necessário ao desempenho das tarefas.

Escolas técnicas possuem ensino mais voltado à prática profissional e desempenho de tarefas voltadas à prática. Nesse sentido é importante verificar que na academia a verificação de tal capital se faz através da publicação de artigos, ou seja, da produção científica, que gera conhecimento, o que é o objetivo final do capital humano.

Tal teoria não se vê presente, entretanto, em dois eixos que deveriam: No ensino fundamental e médio em que há algum preparo mas não para tarefas que sejam voltadas ao mercado de trabalho, faltando, portanto competência emocional e preparo para tal mercado; No ensino técnico e acadêmico, falta a preparação mais ampla para as tarefas que são inerentes ao contexto que será aplicado.

POLÍTICAS, PROGRAMAS E AÇÕES GOVERNAMENTAIS UTILIZAM A PEDAGOGIA TECNICISTA E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO NOS DIAS ATUAIS ?

A visão relacionada ao ensino no Rio de Janeiro é relacionada às empresas de uma grande metrópole que possui suficientes recursos para manter um profissional sem a formação adequada e utilizá-lo como “Trainee” ou até mesmo lançar mão de universidades corporativas de maneira a manejar o capital humano preparando-o para o que é necessário.

Entre os textos consultados, para uma visão mais global, foi possível verificar que as principais mudanças para aumentar o capital humano são: Mudanças demográficas; evolução de tecnologia digital; inovação em modelos de negócios; alteração das regras trabalhistas. Estes são itens verificados no relatório de Tendências Globais de  Capital Humano 20161 e no Relatório de Capital Humano de 20162.

Em tradução livre2: “O Brasil é a maior economia da região da América Latina, está posicionada na porção inferior do índice, com uma pobre performance na educação básica (98º) e qualidade da educação primária (118º) no grupo de 0-14 anos em particular. Negócios locais percebem muita dificuldade em contratar empregados qualifcados (114º), entretanto o país possui uma melhor qualificação comparativamente em qualidade de treinamentos corporativos e uma alta taxa de empregabilidade aos profissionais de 25-54 anos.

ANÁLISE CRÍTICA

É possível verificar que há necessidade da criação de políticas adequadas às necessidades atuais do mercado de maneira que o capital humano seja adequado ao que o mercado precisa, permitindo à escola que a força de trabalho possua uma formação melhor e mais voltada ao que é demandado pelo mercado.

O aluno egresso do curso fundamental e médio não está adequadamente preparado para o que o mercado precisa quanto às competências pessoais necessárias ao mercado de trabalho, de seguida, quando este egresso busca ensino técnico ou superior, não consegue adequar-se e fazer a “transição” que o mercado demanda, portanto, fica com uma formação aquém das necessidades de tal mercado, não conseguindo ingressar adequadamente ou ingressando e não mantendo-se da maneira que necessita.

FONTES CONSULTADAS (11.2016):

  1. https://www2.deloitte.com/content/dam/Deloitte/br/Documents/human-capital/hc-trends-2016.pdf Ou Também aqui.
  2. http://www3.weforum.org/docs/HCR2016_Main_Report.pdf (Pg.15)
  3. http://www.uel.br/eventos/sepech/sumarios/temas/teoria_do_capital_humano_e_a_relacao_educacao_e_capitalismo.pdf
  4. http://hdl.handle.net/10183/25425
  5. http://www.senac.br/informativo/bts/271/boltec271c.htm
  6. http://www.unicamp.br/cemarx/ANAIS%20IV%20COLOQUIO/comunica%E7%F5es/GT5/gt5m3c2.pdf
  7. http://www.ufmt.br/revista/arquivo/rev15/AlmeidaPereira.html
  8. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002008000100009
  9. http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario8/_files/HGqmRDqk.pdf
  10. http://www.unc.br/mestrado/textos/Bibliografia-2013-Inf-teoria-cap-humano-e-teoria-do-cap-social-nas-pol-educ-bras%20.pdf
  11. http://www.estudosdotrabalho.org/texto/gt1/a_teoria_do_capital.pdf